segunda-feira, 12 de abril de 2010

Sim, eu trabalho. Há 5 anos!

Acho que todo mundo sabe que eu trabalho. E muitos devem saber que eu não gosto do meu trabalho. Não que seja chato, mas é tão monótono, e depois de 5 anos trabalhando no mesmo lugar, a gente fica de saco cheio da rotina. Todo mundo fala; você tem só 17, como pode trabalhar há 5 anos? Sim, eu comecei a trabalhar aos 12 anos. Na época, não era bem um serviço... eu simplesmente ia atender o telefone no escritório do meu pai. Mas porque eu tinha que fazer isso? Porque não ficava em casa vendo desenho como uma criança normal? Preciso contar um pouco da história da minha vida pra entender isso.


Minha vida sempre foi boa, em geral. Quando pequena, minha mãe era bancária, meu pai trabalhava em uma seguradora, eu estudava no Olivetano – que por sinal, na época, era um colégio realmente bom – tinha um carro bom, minha modesta casa (que ainda é a mesma), e ainda sobrava um dinheirinho pra viajar e tudo mais. Eu tinha uma ótima vida , uma condição financeira consideravelmente boa também (sem esquecer que sempre morei na Zona Leste, e de fato, já até morei na Cohab – lugar que eu adoro! – então humildade em primeiro lugar, ok?). Só que, como a vida não é cor-de-rosa, minha mãe teve o segundo filho, meu primeiro irmãozinho, então, querendo ou não é uma despesa a mais. Mas ainda dava pra viver muito bem, realmente não tenho o que reclamar.Porém, logo quando meu irmão completou o primeiro ano de vida, ocorreu uma reviravolta na minha família. Minha mãe estava grávida de novo, e meus pais perderam o emprego. Sim, os dois, na mesma época. Bom, dois adultos sem emprego cuidando de uma casa e três crianças, não é fácil. Na verdade, foi muito difícil. Logo depois, minha mãe teve que arrumar dois empregos; recepcionista num dentista e inspetora em uma faculdade. Enquanto meu pai fazia várias entrevistas por semana, e nada. Ele também estudou e prestou alguns concursos públicos – modesta a parte, mas meu pai é MUITO inteligente, mas depois que ele terminou a faculdade, ele não prestou a OAB, porque já trabalhava em outra àrea, então ficou pra lá. -,mas infelizmente ele não passou nos concursos. Nesta época, meu pai arrumou uma parceria com meu tio, e eles abriram um mercado, já que meu avô já estava montando uma panificadora, mas não durou muito por causa de assaltos e tudo mais. Hoje em dia é só panificadora. Mas voltando a falar de estudos; meu pai não passou nos concursos pra delegado que ele tentou, mas tirou o CRECI – pra quem não sabe, é pra ser corretor de imóveis, pra montar uma imobiliária. Mas meu pai nunca tinha trabalhado na àrea. Foi ai que, junto de um amigo da igreja, meu pai montou um despachante em Guaianases. Lá, por causa do preço dos imóveis comerciais pra alugar – que de fato era simplesmente uma garagenzinha. Bom, foi ai então que as coisas começavam a se estabilizar. Minha mãe num sufoco com duas – se contar comigo, três – crianças e dois empregos, e meu pai começando um negócio no qual nunca trabalhara. E eu? Eu, claro, sai do Olivetano, e fui estudar no Colégio Raizes, na Cohab. Por pouco, pouco mesmo não fui pra escola pública. Mas como meus pais priorizam a Educação mais do que qualquer coisa, nós ficamos sem plano de saúde, sem carro, só pra eu continuar em uma escola particular. Que, apesar de particular, era um péssima escola. Péssima no quesito de ensino, porque lá eu aprendi MUITO sobre a vida. Lá eu conheci verdadeiros amigos – amizades que carrego até hoje. Na verdade, passei os melhores momentos da minha vida naquele lugar. Não me arrependo de nada, mas tenho que culpar aquele colégio sobre minha defasagem em matemática. Falando sério, de conteúdo, eu não me lembro de ter aprendido nada, mas de lição de vida, eu aprendi mais do que tinha aprendido em todos os anos anteriores. Bom, as coisas do meu pai foram melhorando, e surgiu uma oportunidade de abrir uma imobiliária na Cohab – na verdade não abrir, mas continuar uma que já estava lá há anos. Meu pai aceitou, e lá em frente a delegacia 65 começamos outra etapa. E foi nessa hora que eu entrei em cena, porque eu ficava em casa o dia todo mofando, e na verdade, o dia todo pendurada no telefone, com amigas, amigos e paqueras. Não tinha internet em casa (como não tenho até hoje) então telefone era o que me restava pra me socializar. Bom, dai você já imagina né? A conta de telefone explodia, e meu ‘castigo’ era ir trabalhar com meu pai. No começo foi bem estranho. Eu tinha 12 anos. Eu já estudava na Cohab, dai só descia algumas ruas, e já estava no serviço. Lá tinha internet, e era minúsculo. Tudo que eu fazia era atender o telefone, o se chegasse alguem, chamar meu pai. Era só isso. Pra castigo estava mais do que bom. Só que o castigo foi se prolongando, e eu virei uma necessidade naquele lugar. Fui aprendendo sobre como dar informações sobre apartamentos, os nomes das ruas – saber quase todos os nomes das ruas da Cohab não é fácil, é Padre pra cá, Padre pra lá - e valores também. Comecei a pegar o jeito da coisa, até chegar uma época que eu já fazia tudo; atendia telefone, atendia o balcão, respondia emails, mostrava apartamentos, fazia banco, tudo. Tudo, que na verdade era pouco naquele lugarzinho. E meu pai era suave, eu passava horas no MSN. Então, os anos foram passando, as responsabilidades aumentando, até eu abrir e fechar, literalmente, o escritório. Eu já era uma funcionária mesmo. Eu ganhava, claro, porque falando serio, comecei ganhando 100 reais, depois 150... Nesta época então eu ja estava quase beirando os 200 reais. Foi quando as coisas voltaram a melhorar; eu voltei a estudar no Olivetano, minha mãe pediu a conta no serviço e veio trabalhar com a gente, já que o negócio estava crescendo. Meu pai tinha tirado finalmente a OAB, então além de imobiliária, começou a ser também Advocacia. Logo meu pai se tornou corretor da Caixa Econômica, o que aumentou nosso serviço, e também começou a fazer perícias imobiliárias pra processos jurídicos. Bom, dai a verdade é que aquela garagenzinha da Cohab estava ficando pequena, porque nós também começamos a fazer trabalho de despachante pra um Clube no Morumbi. Dai quando eles perguntavam onde ficava o escritório, nem rolava falar que na Cohab. Falávamos tatuapé, porque os clientes nunca iam até o escritório; mas já achavam tatuapé longe. Dai, mudamos. Pra próximo ao shopping Aricanduva, e lá ficamos até o final do ano passado. Sim, lá era um pouco maior. Na verdade, dava uns 3 escritórios da Cohab. Tinha até cozinha! E como já era dos meus pais – patrimônio antigo – não pagávamos aluguel. Tive aumento de salário até 350. Sim, eu estava trabalhando por este valor. E o escritório foi aumentando, o serviço aumentando, a responsabilidade aumentando, e o salario... naquelas. Foi lá também que meu pai pegou firme na parte de Advocacia, e eu comecei a aprender tudo sobre isso. Eu ia nos fóruns e cartórios, e tudo mais.


Mas como tudo na vida, eu senti pontos negativos nesse meu emprego precoce. Eu sinto, no fundo, que perdi parte da minha infância. Sabe, aos 12 anos, eu queria mais era ficar na frente da TV, de sair na rua, de ir na casa das amigas brincar pelas últimas vezes de boneca e professora. Eu queria sair com garotos, queria ir no shopping com as amigas. E tudo foi passando...12, 13, 14, 15, 16, e eu cheia dos “ah, não vai da pra ir no shopping quarta, vou estar trabalhando”, e eu sinto falta disso. Vou colocar pouca culpa do meu trabalho sobre meus estudos, porque eu não gosto de estudar, mas tenho que assumir que as principais razões para eu não fazer as lições de casa ou não estudar para as provar, era o meu trabalho. Eu estudava a manhã toda, e trabalhava até quase 7h da noite. Queria chegar em casa e relaxar, não ir estudar. Talvez se eu passasse a tarde toda fazendo nada em casa, eu estudasse. Ou talvez não, não tenho como saber. Mas também nem tudo é ruim. Já tenho uma boa experiência pra quando for arrumar um trabalho de verdade. E eu melhorei DEMAIS desde quando comecei a trabalhar. Minha timidez mal me deixava atender o telefone. Nesse ponto melhorei demais.


Mas então. Enrolei e não falei de HOJE. Hoje mudamos o escritório, e trabalhamos no tatuapé. Eu, minha mãe, meu pai e meu tio. Cada um com a sua sala e tudo mais. Agora sim, um escritório descente, próximo ao metrô. E o que eu faço? De verdade, TUDO. Literalmente falando. Atendo telefone, atendo os clientes que chegam pra perguntar de imóvel, atendo também os que vêem procurando advogado. Respondo emails, confiro a parte financeira; depositos na conta, recebo aluguel, faço pagamento dos proprietários. Faço procurações, vou à fóruns, cartórios de registros, cartórios de imóveis. Retiro documentos nos mais estranhos endereços de São Paulo, e entrego em outros piores ainda. Faço todo o serviço da rua e de dentro do escritório. Também arrumos os arquivos, e limpo o escritório quando preciso. Peço-retiro-entrego certidões. Sei lá mais o que eu faço. Faço as avaliações de imoveis pro meu pai – ja que tem que editar fotos, montar e tudo mais, e digamos que ele não é tão bom com o computador. Em geral, é isso que eu faço. E eu não odeio, só estou cansada. E só espero que meus pais nunca leiam todo esse meu depoimento aqui.


E o melhor de tudo; no momento, estou trabalhando DE GRAÇA. Sim isso mesmo, salário ZERO.
Por causa da minha viagem pros EUA. To com saldo negativo aqui de - 7637138267236 dolares.
Mas é a vida. Por isso estou procurandou outro emprego.
E eu prometo parar de escrever minha vida pra simplesmente falar o que eu faço no meu trabalho. Eu juro. Pra que esse post imenso se ninguem vai ler? Me dá até sono.


Mas é isso.
Ah, e se alguém ler isso, comente só pra eu saber que leu. Por favor.
Beijo, beijo, me liga.
Anna

2 comentários:

Daniel disse...

eu li :)
e prometo que farei um comentário decente quando terminar de digerir essas informações.

beijo Saumensh! ;D

Viagens minhas, disse...

Até morei na COHAB. Tá tirano, isso aqui sim é vida mano.. rs
Poxa. Estudou no Olivetano e não é metida como essas fresquinhas daí? Díficil, heim. Só lendo o post pra acreditar que vc é maravilhosa e não mesquinha como aquelas lixinhos. Mal ae ANNAA. Precisava jogar essas palavras pra caso alguma ler se ofender. euhauea
Pois, então. Ao terminar de ler, fiquei muito feliz por saber que seus pais estão onde estão por terem batalhado e muito. E feliz tb por vc. Pq mesmo com essa vida bacana, quer melhorar mais e mais a sua vida.

E se um dia sentir falta de sair com algum paquera, ops, amigo. Eu tô aquii \o/

Postar um comentário